Entrevista de Bruce Witkin ao After Hours Podcast em 13/03/2017

Bruce Witkin, é um amigo de Johnny desde a juventude. A música está em suas veias desde sempre. Os dois casaram com duas irmãs, Lori e Suzanne, e apesar de Johnny ter se divorciado em pouco tempo, todos continuam uma grande amizade. Suzanne é fotografa e o Johnny está sob suas lentes durante toda a carreira.
Bruce não é muito ligado em redes sociais como Johnny, e pela primeira vez vemos ele dando uma entrevista e falando sobre essa amizade, focando na parte musical.

Episódio 5 – Bruce Witkin
13 de março de 2017 – Por After Hours Podcast.

Em 2007, Johnny Depp disse de Bruce Witkin: “Esse cara é alguém que eu conheço há 30 anos. Ele é um irmão. Trabalhávamos em bandas juntos, estávamos juntos na estrada, vivíamos juntos. ”

Uma dessas bandas foi The Kids, que Bruce começou na Flórida em 1978, e com quem ele e Johnny iriam para Los Angeles na busca de fama e fortuna. Corte para quase 40 anos depois e Bruce e Johnny estão em outra banda juntos, um pequeno supergrupo de rock chamado Hollywood Vampires, com Joe Perry, Matt Sorum e Alice Cooper.

Entre The Kids e The Vampires, Bruce trabalhou com todos, desde Paul McCartney até Marilyn Manson, além de produzir trilhas sonoras de filmes como The Lone Ranger, The Rum Diary e Sweeney Todd, pelas quais ele foi indicado para um Grammy.

Ele é um dos músicos mais “baddest” em LA e um jogador de poker muito médio. Então sente-se, relaxe, e aproveite este (muito smokey) Depois de conversa de horas com o Sr. Bruce Witkin.

“Alguém me mostra que há todas essas fotos com Johnny, mas quando há uma comigo e ele nela, ele tem um sorriso diferente em seu rosto.” Bruce Witkin.

Bruce Witkin Discute:

Deixando o Bronx para Miami
Tocando em The Kids com Johnny Depp
Tocando nos Hollywood Vampires
Tour com Adam Ant e Vanessa Paradis
Trabalhando com Paul McCartney
Trabalhando com Marilyn Manson
Trabalhando na Jiminy Glick em Lalawood
Trabalhando em Sweeney Todd
O Glam Skanks
Sheila Witkin
A cena musical do sul da Flórida dos anos 70 e 80
Ser nomeado – e tocar – The Grammys
Matt Sorum e Duff McKagan
Vivendo no iate de Nicolas Cage com Johnny Depp
Mudanças
Unison Music
A banda de Johnny Depp “P”
Novo álbum dos Hollywood Vampires
Post traumática tour depressão
Olhando para trás
Faculdade
Tighty Whities band

É dificil para nós traduzirmos uma entrevista em video “de ouvido”. Quando é um texto escrito fica mais facil. Mas tentamos. Focamos nos trechos em que ele se refere ao Johnny. Estão falatando muitas, mas vamos continuar e depois editaremos até completar.

O entrevistador começa +/- assim:

“Eu tenho um convidado incrível aqui, esse cara estava na estrada com a banda Hollywood Vampires, pra vocês que estão familiarizados, uma super banda de rock formada por Joe Perry do Aerosmith, Alice Cooper e Johnny Depp e Bruce Witkin…” “Nós sempre escutamos falar sobre esse cara Bruce, que tem um excelente estúdio, que é músico, escutamos sobre esse cara que está em uma banda com Johnny Depp, de quem que é um grande amigo, escutamos falar sobre que a banda produz um monte de coisa legal”

(1:55) BW: Eu me mudei para cá em 84 com a banda que eu estava chamada The Kids com o Johnny”

Entrevistador: The Kids é uma outra legendária história, as pessoas sempre falam sobre Johnny Depp e sua primeira banda the Kids, (…) Então você estava nessa banda com Johnny?
BW: Mós estávamos tocando em lugares da Flórida… em qualquer lugar que conseguimos, nós fomos para Costa tentar viver de música… então Johnny tinha uma pequena banda que soava um pouco como nós e ele queria se juntar com a banda. Nós estávamos no meio de uma transição de guitarristas e nós o conhecemos, ele fez o teste e entrou. Quando ele entrou as coisas (mais uma parte que não consegui traduzir)

(3:04) BW: Nós viemos da Flórida com uma situação bem confortável….

(3:20) 25 anos depois fizemos uma reunião com um show na Flórida para(homenagem) minha mãe, eu e Johnny fizemos muita audições, muito jovens para levantar algum dinheiro, mais para 87, 86. Ele fez A Hora do Pesadelo, eu acho que foi em 85, nós ainda estávamos na banda naquele momento, ele não saiu, só foi ganhar uma grana.

Entrevistador: Para quais bandas vcs abriram shows na Flórida?
BW: Na Flórida nós abrimos para um monte de bandas, The Pretenders, Talking Heads, B-52’s, REM, U2. Éramos umas das poucas bandas que tinha lá que não tinha cabelo grande…
(4:16) Estávamos morrendo por dinheiro, estávamos quebrados, vendendo canetas (…) o resto para o Johnny é história.

(4:47) BW: Em Hollywood Vampires é apenas um grande prazer para mim porque o foco está nos três caras da frente (Joe Perry, Johnny Depp e Alice Cooper) (…) nós tivemos alguns dramas, obviamente, problemas pessoais, mais na maioria do tempo os 99 minutos no palco eram ótimos. Aerosmith costumavam fazer 1 show e tiravam 3 dias off e eu não sabia disso que o Joe não fazia show atrás de show desde dos anos 90, em um momento nós fizemos 7 shows em 9 dias, acho que para Joe era mais como “eu posso fazer, eu sei que posso fazer”. (…) (Referindo-se ao esgotamento que Joe teve e acabou desmaiando no palco em NY)

(5:33) Entrevistador: É maluco olhar pra frente e ver, p***a é o Alice Cooper que está no palco?
BW: Eu conheço Johnny, conheci Joe provavelmente 4 anos atrás, nós nos tornamos amigos e trabalhamos em um trabalho solo. Mesmo com Joe, é tipo, wow é o Joe. Com o Cooper, a coisa interessante sobre o Cooper (…) ele não para.

(6:26) É uma coisa interessante ver esses caras dando ao Johnny tanto respeito do jeito que fazem, Johnny é um guitarrista maravilhoso, ele sempre tem sido um artista, eu acho que se vc perguntar para ele o que me perguntou, ele responderia “porque esses caras estão no palco comigo? Eu sou ninguém” Eu acho que isso faz parte dele.

(6:41) Eu acho que isso faz parte dele, tendo um pedaço do que nós começamos a construir. Alguém uma vez me falou que sempre tem foto do Johnny, teve uma você(BW) e ele, ele parece diferente, um sorriso diferente no rosto. Então eu acho que para nós, é um pequeno pedaço do que talvez poderia ter acontecido com a banda que nós começamos.

(7:51) Eu fiz uma turnê com a ex mulher do Johnny, Vanessa Paradis, foram 4 meses em Paris, França.

(8:01) Quando tudo se juntou com o disco do Vampires, Bob Ezrin que sempre trabalhou com Alice, eu o conheci e começamos. Tommy e eu gravamos demos e mandamos para o Bob e ele mostrou para Alice. Quando sabíamos que tinhamos uma ideia para o CD (..).
(8:51) Johnny fez um vídeo para o Paul (..) ele me ligou e disse “Paul está vindo”, eu pensei “puta merda”.
(9:24) Por ser amigo de Johnny, eu conheci muita gente durante os anos.

(11:50) Sweeney Todd foi uma coisa interessante, eu basicamente estava gravando a voz do Johnny, quando conheci Tim pela primeira vez, ele veio e me falou “vc sabe, não vou fazer esse filme se vc não fizer isso, então toda a pressão está em vc”.

(13:14) quando Johnny se viu no lifestyle, viviamos nessa casa de banda, conheceu minha mãe, ele se apaixonou por ela. Quando ela morreu, ele falou “talvez podíamos fazer um pequeno show em Flórida” Umas 10 bandas toparam, diziam “ooh, nós amamos sua mãe”. Muitos amigos foram, amigos que tinha uns 20 anos que não viamos, eles foram lá tocar, arrecadados dinheiro para caridade, foram incríveis duas semanas.
Para Johnny, quando fizemos as primeiras reuniões para o show (…) não era aquela loucura de fãs do Johnny, no outro ano fizemos outra vez e foi assustador, ele não queria ser o foco, isso era para a banda e eu acho que os Hollywood Vampires os caras são tão famosos quanto ele, ele pode ir até lá e não será sobre ele. (..) Ele está fazendo aquilo que ele sempre quis fazer. Nós falamos sobre voltar a tocar com a velha banda e talvez ir no Japão fazer uma sequência de shows, então ele seria o mais famoso da banda, acho que se acontecesse ele se sentiria bem estranho

(19:17) Quando estava fazendo Piratas do Caribe 2 e 3 um atrás do outro, ele veio e “ei podemos sair” e eu “onde estamos indo” ele me respondeu que era para uma pequena ilha chamada Dominica, mas os hotéis lá não são bons, sabe? (…) então nós ficamos no seu iate, que é onde moramos. (…)
(19:50) ele virou e me falou, “acho que comprei isso para Nick”. Ele é um cara real e essa é a história do Nick.
(20:16) foi Nick que recomendou uma agente para o Johnny.

(24:58)Entrevistador: E sobre a The Hollywood Vampires, voces falam sobre fazer algo novo?
BW: Eu acho que agora somos como uma banda, antes não éramos uma banda, era apenas um album, então colocamos essa banda na estrada e nós meio que trabalhamos bem juntos, então eu acho que o próximo trabalho que iremos fazer provavelmente vai soar como a banda.

Entrevistador: Quando a turnê acabou vc sentiu algum tipo de alívio?
Bw: Foi estranho, acho que sofri de PTTD, pos traumática turnê depressão (na forma literal), vc acaba entrando nessa rotina, nós fizemos muitos shows, 18 shows em 24 dias. Quando voltei para minha casa Era como “o que estou fazendo, preciso fazer algo”. Precisei de uns 10 dias para retornar qualquer coisa que eu estava fazendo antes.

Trad. Mayla Leda Caldeira da equipe DeppLovers

Johnny no Brasil!!!

Johnny no Brasil!

A música o trouxe! O The Hollywood Vampires, que nasceu lá em 2011 com Dark Shadows, o trouxe! Parece mentira, mas aconteceu.
E as DeppLovers estavam lá! Comparecemos, vivemos todos os momentos! Somos testemunhas deste momento histórico da vida dele!

Johnny no Brasil é algo que sempre nos pareceu tão distante, mas foi sua “vida nova” dedicada à sua tão amada música e seus ídolos, que o trouxeram, e não os filmes.

001

O periodo preparatório desta viagem foram meses. Desde fevereiro numa busca intensa de confirmação, de dúvidas , principalmente depois que ele sofreu o acidente na Australia e feriu gravemente um dos dedos da mão. Somado a isto havia a agenda de setembro cheia com os compromissos de divulgação de BlacK Mass e do perfume Sauvage da Dior.

Read More

“Gimme Shelter” – Celebridades e seus animais de estimação

Suzanne Allison é uma profissional que fotografa Johnny ha muitos anos. Tanto em shows como em sessões de fotos, conhece-o desde jovem.
É esposa de Bruce Witkin, grande amigo de Johnny desde o tempo do The Kids. Temos um carinho muito especial por ele também, que está sempre ao lado de Johnny nas gravações de músicas, e em eventos relacionados à música e canto nos filmes.

936098_10151740586791844_701574154_n

Ela capta lindas imagens, em ângulos diferentes dos usuais, de costas, perfil e usa muito as sombras e silhuetas. Clique nas imagens para ampliar.

Nesta foto Johnny estava concentrado aguardando sua entrada no Golden Gods Awards (11/04/2012)para tocar com Marilyn Manson.
Fantástica foto.
Ela retrata momentos de reflexão, de concentração, de observação.

1017341_324369634363135_563479390_n (1)

Suzanne está publicando um livro de fotos.
“Gimme Shelter”, cheio de belas fotos de celebridades e seus animais de estimação. Criado em um esforço para aumentar a conscientização e salvar a vida de animais abandonados. “Gimme Shelter” não só contém belas fotos de celebridades e seus animais de estimação, mas também contará com amigos, familiares, vizinhos e pessoas que compartilharam a experiência de amar um animal de estimação!

gimme-shelter-cover

Neste livro, Johnny escreveu o prefácio, e contribuiu posando para fotos com seus animais adotados.
Outros artistas como Alice Cooper, Marilyn Manson, Joe Perry, Steven Tyler e tantos outros estão ligados ao projeto.

Pedimos a todos que colaborem, curtindo a página no Facebook e twitter @gimmeeshelter.
Participe das promoções (elas fazem sorteios de fotos e outros brindes, e alguns incríveis leilões como, por exemplo, uma guitarra autografada pelos artistas citados acima).

20789_502270236525741_2027472911_n1150783_10151937592646844_1310886372_n

Para adquirir o livro clique aqui.

Não tem edição no Brasil, então fica um pouco difícil para algumas pessoas, mas pode ser adquirido mesmo assim.
O fato de fazermos a divulgação, já estariamos colaborando com a ideia e estendendo até as pessoas que possam colaborar.
Além disso, a mensagem está sendo divulgada, e incentivar a adoção de animais, e esvaziar os abrigos é uma boa conduta para quaisquer país. Vamos divulgar esta ideia.

Em seu site, Suzanne Allison conta que teve uma câmera em suas mãos desde que ela tinha 13 anos de idade. Seu excelente trabalho em fotografia fala por si, mas o seu verdadeiro dom é capturar momentos tocantes com as pessoas e seus animais de estimação.
Suzanne acredita que essas belas criaturas são as verdadeiras estrelas de “Gimme Shelter”. A maior realização que podemos alcançar com este livro vai abrir os olhos dos povos com os números esmagadores de animais que são abandonados e como é possível reduzir significativamente o número de cães e gatos em abrigos.
Pede para que eduque seus filhos e ensine-os que os animais não são brinquedos. Eles devem ser tratados com carinho com respeito e amor…
Dar amor, receber amor… Muito simples.

gimmeshelterbook.com.

Gimme Shelter/Facebook

My Deeaaarrr!!! “Little Lion Man”

“Little Lion Man”, Johnny Depp como “Tonto’s Giant Nuts” canta e toca com Bruce Witkin.

Johnny cantando!
Estávamos prevendo isso enquanto acompanhávamos sua trajetória como músico e suas performances cantando em Sweeney Todd, depois uma palhinha aqui e outra lá em outros filmes… Mas sempre dizendo: Não!! Eu não canto!! Hahah.
Temos observado desde 2011 quando ele passou a frequentar assiduamente os palcos com os amigos (e que amigos!), e ele começou lá no fundo, cabeça baixa, depois foi se chegando para a frente, foi chegando perto do microfone… fazendo backing vocal com o Aerosmith, depois na despedida das gravações de The Lone Ranger, tocando com Gore Verbinski, e agora está ai:
Uma música todinha cantada por ele.

Isto certamente tem o empurrãozinho do Bruce Witkin. Foi ele que o preparou para cantar em Sweeney Todd. Era ele que aparecia cantando com Johnny no The Kids, e agora nesta música os dois gravaram juntos para a trilha sonora do documentário “West Of Memphis”. Em “Little Lion Man”, Johnny como Tonto’s Giant Nuts canta e toca com Bruce Witkin a música dos “Munford & Sons”. Aquela banda que ele apresentou no Grammy deste ano lembram?

Não perdi a oportunidade de montar um video com imagens dele tocando e já levamos ao delírio muita gente no forum com isto.
E esse Deeeeaaaarrrr do Johnny arrasa com o coração da gente!!!
E ouvindo com o fone de ouvido essa voz grave…escorregadia, descobri que é a voz do Cap. Jack… Ok, ok… Pois Jack fala cantado e aqui Johnny canta falando… Devaneios de viciada em Jack!
Ouso descrever minhas intenções no vídeo amador, claro, coisa de fã:
Johnny tocando várias vezes no Late show… ficou como pano fundo, como se ele estivesse tocando o tempo todo.
As batidas fortes ficaram para quando ele desce o braço andando pelo palco em tantos shows que já vimos.
O Bruce tinha que aparecer afinal os dois estão ali o tempo todo e ele é o responsável por fazer o Johnny cantar sempre.
A fumaça e as fotos pensativas é a introspecção, pois quem leu a letra da música sabe que é um assumir culpa mas que também não está nem ai… como o Jack. Mas ama, por isso os beijos. (letra da música no final do post)
O Cap. Jack…bem… é a voz dele, bêbada, rouca, escorregadia e me ame como sou. My deeaaar.

No final do ano passado eu disse: “Ele ainda vai cantar assumidamente. E não vejo a hora de ouvir as composições.”
Agora é esperar pelas composições. Acredito que deve ter muitas guardadinhas.
~Salete~

Edit.: Esta gravação faz parte do CD da trilha sonora do documentário “West Of Memphis”, que foi lançado no dia 15 de janeiro. Pode ser comprado na Amazon.com ~A Amazon faz entrega de CDs no Brasil. ~Parte da venda beneficia diretamente os West Memphis 3.
Além de Johnny e Bruce Witkin, estão também, Bill Carter, Marilyn Manson, Patti Smith, Eddie Vedder, Peter Jackson (cineasta) e outros artistas.

Letra e tradução da música:

“Little Lion Man” (MUMFORD & SONS)

Weep for yourself, my man,
You’ll never be what is in your heart
Weep, little lion man,
You’re not as brave as you were at the start
Rate yourself and rake yourself
Take all the courage you have left
Wasted on fixing all the problems that you made in your own head

But it was not your fault but mine
And it was your heart on the line
I really fucked it up this time
Didn’t I, my dear?
Didn’t I, my dear?

Tremble for yourself, my man,
You know that you have seen this all before
Tremble, little lion man,
You’ll never settle any of your scores
Your grace is wasted in your face,
Your boldness stands alone among the wreck
Now learn from your mother or else spend your days biting your own neck

But it was not your fault but mine
And it was your heart on the line
I really fucked it up this time
Didn’t I, my dear?

But it was not your fault but mine
And it was your heart on the line
I really fucked it up this time
Didn’t I, my dear?
Didn’t I, my dear?

[harmonizing]

But it was not your fault but mine
And it was your heart on the line
I really fucked it up this time
Didn’t I, my dear?

But it was not your fault but mine
And it was your heart on the line
I really fucked it up this time
Didn’t I, my dear?
Didn’t I, my dear?

Chore por si mesmo, meu amigo
Você nunca será o que está em seu coração
Chore, pequeno homem leão
Você não é tão corajoso quanto era inicialmente
Avalie-se e recomponha-se,
Pegue toda a coragem que te sobrou
Desperdiçada em consertar todos os problemas que você criou em sua própria cabeça

Mas isso não foi sua culpa, mas sim minha
Era seu coração na linha
Eu realmente estraguei tudo dessa vez
Não foi, meu caro(minha querida)?

Estremeça por si mesmo, meu amigo
Você sabe que já viu isso tudo antes
Estremeça, pequeno homem leão
Você nunca conquistará nenhuma de suas metas
Sua graça é desperdiçada no seu rosto
Sua audácia permanece sozinha dentre os destroços
Agora aprenda com sua mãe, ou então gaste seus dias mordendo seu próprio pescoço

Mas isso não foi sua culpa, mas sim minha
Era seu coração na linha
Eu realmente estraguei tudo dessa vez
Não foi, meu caro?(minha querida)