Entrevista de Bruce Witkin ao After Hours Podcast em 13/03/2017

Bruce Witkin, é um amigo de Johnny desde a juventude. A música está em suas veias desde sempre. Os dois casaram com duas irmãs, Lori e Suzanne, e apesar de Johnny ter se divorciado em pouco tempo, todos continuam uma grande amizade. Suzanne é fotografa e o Johnny está sob suas lentes durante toda a carreira.
Bruce não é muito ligado em redes sociais como Johnny, e pela primeira vez vemos ele dando uma entrevista e falando sobre essa amizade, focando na parte musical.

Episódio 5 – Bruce Witkin
13 de março de 2017 – Por After Hours Podcast.

Em 2007, Johnny Depp disse de Bruce Witkin: “Esse cara é alguém que eu conheço há 30 anos. Ele é um irmão. Trabalhávamos em bandas juntos, estávamos juntos na estrada, vivíamos juntos. ”

Uma dessas bandas foi The Kids, que Bruce começou na Flórida em 1978, e com quem ele e Johnny iriam para Los Angeles na busca de fama e fortuna. Corte para quase 40 anos depois e Bruce e Johnny estão em outra banda juntos, um pequeno supergrupo de rock chamado Hollywood Vampires, com Joe Perry, Matt Sorum e Alice Cooper.

Entre The Kids e The Vampires, Bruce trabalhou com todos, desde Paul McCartney até Marilyn Manson, além de produzir trilhas sonoras de filmes como The Lone Ranger, The Rum Diary e Sweeney Todd, pelas quais ele foi indicado para um Grammy.

Ele é um dos músicos mais “baddest” em LA e um jogador de poker muito médio. Então sente-se, relaxe, e aproveite este (muito smokey) Depois de conversa de horas com o Sr. Bruce Witkin.

“Alguém me mostra que há todas essas fotos com Johnny, mas quando há uma comigo e ele nela, ele tem um sorriso diferente em seu rosto.” Bruce Witkin.

Bruce Witkin Discute:

Deixando o Bronx para Miami
Tocando em The Kids com Johnny Depp
Tocando nos Hollywood Vampires
Tour com Adam Ant e Vanessa Paradis
Trabalhando com Paul McCartney
Trabalhando com Marilyn Manson
Trabalhando na Jiminy Glick em Lalawood
Trabalhando em Sweeney Todd
O Glam Skanks
Sheila Witkin
A cena musical do sul da Flórida dos anos 70 e 80
Ser nomeado – e tocar – The Grammys
Matt Sorum e Duff McKagan
Vivendo no iate de Nicolas Cage com Johnny Depp
Mudanças
Unison Music
A banda de Johnny Depp “P”
Novo álbum dos Hollywood Vampires
Post traumática tour depressão
Olhando para trás
Faculdade
Tighty Whities band

É dificil para nós traduzirmos uma entrevista em video “de ouvido”. Quando é um texto escrito fica mais facil. Mas tentamos. Focamos nos trechos em que ele se refere ao Johnny. Estão falatando muitas, mas vamos continuar e depois editaremos até completar.

O entrevistador começa +/- assim:

“Eu tenho um convidado incrível aqui, esse cara estava na estrada com a banda Hollywood Vampires, pra vocês que estão familiarizados, uma super banda de rock formada por Joe Perry do Aerosmith, Alice Cooper e Johnny Depp e Bruce Witkin…” “Nós sempre escutamos falar sobre esse cara Bruce, que tem um excelente estúdio, que é músico, escutamos sobre esse cara que está em uma banda com Johnny Depp, de quem que é um grande amigo, escutamos falar sobre que a banda produz um monte de coisa legal”

(1:55) BW: Eu me mudei para cá em 84 com a banda que eu estava chamada The Kids com o Johnny”

Entrevistador: The Kids é uma outra legendária história, as pessoas sempre falam sobre Johnny Depp e sua primeira banda the Kids, (…) Então você estava nessa banda com Johnny?
BW: Mós estávamos tocando em lugares da Flórida… em qualquer lugar que conseguimos, nós fomos para Costa tentar viver de música… então Johnny tinha uma pequena banda que soava um pouco como nós e ele queria se juntar com a banda. Nós estávamos no meio de uma transição de guitarristas e nós o conhecemos, ele fez o teste e entrou. Quando ele entrou as coisas (mais uma parte que não consegui traduzir)

(3:04) BW: Nós viemos da Flórida com uma situação bem confortável….

(3:20) 25 anos depois fizemos uma reunião com um show na Flórida para(homenagem) minha mãe, eu e Johnny fizemos muita audições, muito jovens para levantar algum dinheiro, mais para 87, 86. Ele fez A Hora do Pesadelo, eu acho que foi em 85, nós ainda estávamos na banda naquele momento, ele não saiu, só foi ganhar uma grana.

Entrevistador: Para quais bandas vcs abriram shows na Flórida?
BW: Na Flórida nós abrimos para um monte de bandas, The Pretenders, Talking Heads, B-52’s, REM, U2. Éramos umas das poucas bandas que tinha lá que não tinha cabelo grande…
(4:16) Estávamos morrendo por dinheiro, estávamos quebrados, vendendo canetas (…) o resto para o Johnny é história.

(4:47) BW: Em Hollywood Vampires é apenas um grande prazer para mim porque o foco está nos três caras da frente (Joe Perry, Johnny Depp e Alice Cooper) (…) nós tivemos alguns dramas, obviamente, problemas pessoais, mais na maioria do tempo os 99 minutos no palco eram ótimos. Aerosmith costumavam fazer 1 show e tiravam 3 dias off e eu não sabia disso que o Joe não fazia show atrás de show desde dos anos 90, em um momento nós fizemos 7 shows em 9 dias, acho que para Joe era mais como “eu posso fazer, eu sei que posso fazer”. (…) (Referindo-se ao esgotamento que Joe teve e acabou desmaiando no palco em NY)

(5:33) Entrevistador: É maluco olhar pra frente e ver, p***a é o Alice Cooper que está no palco?
BW: Eu conheço Johnny, conheci Joe provavelmente 4 anos atrás, nós nos tornamos amigos e trabalhamos em um trabalho solo. Mesmo com Joe, é tipo, wow é o Joe. Com o Cooper, a coisa interessante sobre o Cooper (…) ele não para.

(6:26) É uma coisa interessante ver esses caras dando ao Johnny tanto respeito do jeito que fazem, Johnny é um guitarrista maravilhoso, ele sempre tem sido um artista, eu acho que se vc perguntar para ele o que me perguntou, ele responderia “porque esses caras estão no palco comigo? Eu sou ninguém” Eu acho que isso faz parte dele.

(6:41) Eu acho que isso faz parte dele, tendo um pedaço do que nós começamos a construir. Alguém uma vez me falou que sempre tem foto do Johnny, teve uma você(BW) e ele, ele parece diferente, um sorriso diferente no rosto. Então eu acho que para nós, é um pequeno pedaço do que talvez poderia ter acontecido com a banda que nós começamos.

(7:51) Eu fiz uma turnê com a ex mulher do Johnny, Vanessa Paradis, foram 4 meses em Paris, França.

(8:01) Quando tudo se juntou com o disco do Vampires, Bob Ezrin que sempre trabalhou com Alice, eu o conheci e começamos. Tommy e eu gravamos demos e mandamos para o Bob e ele mostrou para Alice. Quando sabíamos que tinhamos uma ideia para o CD (..).
(8:51) Johnny fez um vídeo para o Paul (..) ele me ligou e disse “Paul está vindo”, eu pensei “puta merda”.
(9:24) Por ser amigo de Johnny, eu conheci muita gente durante os anos.

(11:50) Sweeney Todd foi uma coisa interessante, eu basicamente estava gravando a voz do Johnny, quando conheci Tim pela primeira vez, ele veio e me falou “vc sabe, não vou fazer esse filme se vc não fizer isso, então toda a pressão está em vc”.

(13:14) quando Johnny se viu no lifestyle, viviamos nessa casa de banda, conheceu minha mãe, ele se apaixonou por ela. Quando ela morreu, ele falou “talvez podíamos fazer um pequeno show em Flórida” Umas 10 bandas toparam, diziam “ooh, nós amamos sua mãe”. Muitos amigos foram, amigos que tinha uns 20 anos que não viamos, eles foram lá tocar, arrecadados dinheiro para caridade, foram incríveis duas semanas.
Para Johnny, quando fizemos as primeiras reuniões para o show (…) não era aquela loucura de fãs do Johnny, no outro ano fizemos outra vez e foi assustador, ele não queria ser o foco, isso era para a banda e eu acho que os Hollywood Vampires os caras são tão famosos quanto ele, ele pode ir até lá e não será sobre ele. (..) Ele está fazendo aquilo que ele sempre quis fazer. Nós falamos sobre voltar a tocar com a velha banda e talvez ir no Japão fazer uma sequência de shows, então ele seria o mais famoso da banda, acho que se acontecesse ele se sentiria bem estranho

(19:17) Quando estava fazendo Piratas do Caribe 2 e 3 um atrás do outro, ele veio e “ei podemos sair” e eu “onde estamos indo” ele me respondeu que era para uma pequena ilha chamada Dominica, mas os hotéis lá não são bons, sabe? (…) então nós ficamos no seu iate, que é onde moramos. (…)
(19:50) ele virou e me falou, “acho que comprei isso para Nick”. Ele é um cara real e essa é a história do Nick.
(20:16) foi Nick que recomendou uma agente para o Johnny.

(24:58)Entrevistador: E sobre a The Hollywood Vampires, voces falam sobre fazer algo novo?
BW: Eu acho que agora somos como uma banda, antes não éramos uma banda, era apenas um album, então colocamos essa banda na estrada e nós meio que trabalhamos bem juntos, então eu acho que o próximo trabalho que iremos fazer provavelmente vai soar como a banda.

Entrevistador: Quando a turnê acabou vc sentiu algum tipo de alívio?
Bw: Foi estranho, acho que sofri de PTTD, pos traumática turnê depressão (na forma literal), vc acaba entrando nessa rotina, nós fizemos muitos shows, 18 shows em 24 dias. Quando voltei para minha casa Era como “o que estou fazendo, preciso fazer algo”. Precisei de uns 10 dias para retornar qualquer coisa que eu estava fazendo antes.

Trad. Mayla Leda Caldeira da equipe DeppLovers

Obrigada Hollywood Vampires!

Hoje encerrou a turnê americana de verão, da banda Hollywood Vampires. Durante dois meses eles fizeram cerca de 24 shows, incluindo alguns na Europa em maio e junho, e vários seguidos em julho. Form dias dificeis, todos emagreceram um pouco, Joe Perry chegou a ficar desidratado e perder os sentidos num dos shows. Mas também foi um momento muito especial para todos. Tiveram contato direto com milhares de fãs, o calor humano bem próximo, a energia que precisam. Fizeram turismo, conheceram lugares importantes e diversas culturas.

HV

Gostariamos de poder agradecer muito a todas essas pessoas que estavam com Johnny durante este tempo difícil e durante a turnê. Read More

Johnny e Shane McGowan

Shane McGowan é amigo de Johnny há muitos anos. O músico irlandês, cantor e compositor da banda britânica The Pogues, famoso por estar sempre bêbado e ter os piores dentes de toda a história do rock, é amigo de Johnny desde os anos 90. Apesar de sua figura controversa, ele é reconhecido mundialmente por suas composições, poesia e interpretações históricas. Ele aparece na história de Johnny muitas vezes, seja em vídeos, filmes e composições de trilhas sonoras.

431e6ee71268c76847aaef3037ba1b1c

Shane sempre é citado por Johnny em algum lugar. Em sua “Coleção essencial” (em entrevista para a Entertainment Week em 2009), na parte relativa à música, Johnny cita o álbum “Rum Sodomy & the Lash”, de 1985, do The Pogues, considerado um dos melhores álbuns de punk rock de todos os tempo. Ele diz:”Poesia selvagem, linda, de um dos melhores poetas do século. Um grande testamento de amor, aventura e hedonismo! Shane McGowan é o sonho que se realizou de Brendan Behan*.

Em Agosto de 2013, durante a divulgação do filme The Lone Ranger, Johnny disse ao apresentador Matt Everitt, da BBC, que ele considera Shane MacGowan do The Pogues “um dos poetas mais importantes do século 20″. MacGowan entrou para o elogio específico depois de trabalhar com Depp na trilha sonora do filme.”Shane MacGowan é imprevisível. Ele definitivamente não é chato. Ele é uma espécie de homem magnífico.Ele é um ser especial”.

Read More

Johnny no Brasil!!!

Johnny no Brasil!

A música o trouxe! O The Hollywood Vampires, que nasceu lá em 2011 com Dark Shadows, o trouxe! Parece mentira, mas aconteceu.
E as DeppLovers estavam lá! Comparecemos, vivemos todos os momentos! Somos testemunhas deste momento histórico da vida dele!

Johnny no Brasil é algo que sempre nos pareceu tão distante, mas foi sua “vida nova” dedicada à sua tão amada música e seus ídolos, que o trouxeram, e não os filmes.

001

O periodo preparatório desta viagem foram meses. Desde fevereiro numa busca intensa de confirmação, de dúvidas , principalmente depois que ele sofreu o acidente na Australia e feriu gravemente um dos dedos da mão. Somado a isto havia a agenda de setembro cheia com os compromissos de divulgação de BlacK Mass e do perfume Sauvage da Dior.

Read More

Detalhes

Quem se importa com detalhes… Quem se importa com uma poesia linda transformada em música, pela sensibilidade de Johnny, pelos seu dedilhar mágico na guitarra. Quem se importa em ler algo com mais de 3 linhas…
Ele não precisa mais do rosto, aquele que foi atado no poema do Tim.
Seu mestre o alertou de que seriam poucas as faces nos bolsos. Mesmo assim, ele conseguiu criar muitas faces ao longo de seus 30 anos de carreira.
Hoje, não necessita de novas faces, nem mesmo de seu rosto. Sem sombra!
Imagine, quem vai saber do que estou falando….
E quanto mais eu ouço e leio a letra, mais impressionada fico. Seja lá onde estiver, Brando (Marlon) deve estar feliz.
Com um conselho moldou a vida de Johnny.

“Se você acha que é mais forte que isso, você está errado.”

Read More

Johnny Depp e Aerosmith

O aplauso do Joe Perry e os agradecimentos de Steven Tyler!
Impressionante o carinho e admiração que esses caras tem pelo Johnny. Me emociono ao ver esta cena.
Respeito como amigo, como músico. E quando digo “esses caras” a lista vai longe… e fraquinha… Só Alice Cooper, Joe Perry, Steven Tyler, Slash, Paul McCarteney, Keith Richards… e continua com tantos outros de todas as gerações de músicos.
Johnny é o cara que faz música sem compromisso com fazer uma música de sucesso. Ele toca, compõe, produz, por prazer. E pode dizer que qualquer banda o recebe no palco. É só chegar. Não sei de mais ninguem que consegue isso. Ele não tem uma banda, ele tem todas.

Aerosmith featuring Johnny Depp – Train Kept A Rolling – Comcast Center 07/16/14

Read More

Novo clip de Johnny com Paul McCartney!

Esta semana surgiram imagens de Johnny tocando novamente ao lado de Paul McCartney e outros músicos famosos, em trabalho para a realização de um novo clipe, desta vez para a música “Early Days” do álbum NEW, lançado em outubro de 2013.
Não há confirmação, mas as gravações teriam ocorrido em março de 2014.
Como sabemos, Johnny teve participação especial no clip de Queenie Eye, do mesmo álbum, além da participação mais que especial no clip de My Valentine, do álbum Live Kisses.

PMC4

As fotos foram lançadas ha alguns dias, juntamente com o lançamento do clipe da música “Appreciate” do mesmo álbum, NEW.
Agora Vamos aguardar ansiosamente o lançamento do vídeo, desta vez com Johnny tocando ao lado do mestre MacCa!!!

PM@PMC

clique nas imagens

Tem vários violões, parece que será algo acústico, bem íntimo e com uma sonoridade ímpar.
A música é linda. Fala sobre Paul e John Lennon, nos tempos da juventude, andando por Liverpool.
Diz o que as pessoas hoje falam: Ah, “ele fez isso, ou o outro fez aquilo”, mas não estavam lá, não podem saber, mas ele estava lá! Muito lindo!
Não vemos a hora de assistir mais essa parceria. Johnny cada vez mais envolvido com a música, sua paixão. É este o caminho.

Aqui está a letra em inglês e português:

Read More

Música para ninar Johnny Depp

Johnny Depp ganhou em seu aniversário de 49 anos em 2012, um presente muito especial. A música “Nine”, de autoria de Patti Smith, a famosa poetisa, cantora e musicista norte-americana.

Com toda sensibilidade de poeta e amiga, Patti captou a essência de Johnny. Um bebê que nasce numa noite de nove diamantes, saudado por um aceno de chapéu de nove marinheiros de olhos azuis, tímido, lindo, tendo a sombra como irmão, a travessura como lua, as mangas com diamantes, como um arlequim. A natureza quase hipnótica da canção nos remete a uma canção de ninar. Uma canção para ninar Johnny Depp.

Patti é amiga de Johnny há muitos anos, e tem estado presente em vários momentos de sua vida , seja nas locações de filmagens de Johnny, como em The Rum Diary, Piratas do Caribe 4, O Turista, Dark Shadows e no documentário Happy (que Johnny está dirigindo, sobre Keith Richards), seja tocando juntos, como no comício WM3, ou nos concertos de Patti.

Em 05 de Junho de 2012, Patti lançou seu décimo primeiro álbum de estúdio, “Banga”.
Johnny participa da abertura da música de mesmo nome do álbum, “Banga”, tocando guitarra, baixo e bateria. Em entrevistas, Patti fala sobre essas duas músicas, Banga e Nine, e sobre Johnny ser um incrível músico:

“Bem, Johnny Depp realmente me ajudou a trabalhar nisso”, diz Smith, sem intenção de causar um impacto, mas como se estivesse mencionando um verdadeiro velho amigo. Smith conhece Depp há alguns anos, tendo o conhecido nos bastidores quando ela se apresentou em Los Angeles. Eles são íntimos o suficiente para ela tê-lo entrevistado para um profundo perfil biográfico na Vanity Fair em 2010. Depp, por sua vez, escreveu uma dedicatória para Just Kids: ”Patti Smith nos agraciou com uma obra-prima poética, um raro e privilegiado convite para destrancar um tesouro nunca antes rompido.”

O ator, ela insiste, “é realmente um incrível músico”, bom o suficiente para ser capaz de entender o que Smith pretendia. “Assim, a abertura de “Banga” tem apenas Johnny na guitarra, Johnny na bateria, Johnny no baixo – e meu vocal”.

Read More

JOHNNY DEPP SIGNATURE – Guitarra

Detalhes da guitarra Duesenberg, criada para homenagear Johnny.

Os criadores das guitarras da marca alemã Duesenberg estão lançando agora em Janeiro a coleção “Artist Series” inspirada em algumas das tatuagens do Johnny. Apenas 52 guitarras (assinadas à mão) serão lançadas mundialmente.
Nós ja tivemos o grande prazer de ver a festa do lançamento desta preciosidade no show do dia 25/01 com Johnny e amigos num palco, fazendo uso dessa bela guitarra, todo orgulhoso e feliz.

038~1

No texto em destaque abaixo, publicado pelo blog da Duesenberg, tem a descrição da guitarra e outras informações preciosas.

P1100137-300x225P1100141-300x225P1100142-300x225P1100143-300x225

Ok. A maioria das pessoas já deve ter lido sobre isso, mas agora prepare-se para maiores detalhes sobre a Johnny Depp Signature.

Muitas pessoas chegam ao nosso estande e andam em linha reta até ‘Johnny Depp’.
Você também ouve um monte de pessoas falando enquanto caminham: “Oh! Você viu o JD? – Esse é o Johnny Depp! – Aquela é a assinatura de Johnny Depp?”
Mas também fui perguntado algumas vezes: “Ok…mas…por que Johnny Depp?”

Eu provavelmente poderia lhe dar dezenas de razões de porque fizemos isso, mas no final, eu acho que é mais seguro dizer que nós fazemos as coisas, principalmente, porque sentimos que apenas era a coisa certa a se fazer.

Pelo que tenho ouvido e lido (e sim, você vai ler e ouvir muito), Johnny de fato começou a atuar para apoiar sua carreira como músico. Pode-se dizer que as coisas saíram um pouco melhor do que o esperado inicialmente, mas Johnny sempre foi um músico.

Read More

Paul McCartney – ‘Queenie Eye’ com Johnny Depp

Não poderiamos deixar de postar aqui esta maravilha. Johnny sentadinho “na dele” só ouvindo e curtindo, enquanto o mundo cai na dança literalmente à sua volta. Lindo demais.

Primeiro um trailer, com algumas imagens que não constam do video clip completo.
O videoclip foi lançado no dia 24/10/2013.
A música ‘Queenie Eye’ faz parte do novo álbum de Paul, “New”

E aqui o video completo:

Making Of

Johnny e Vanessa cantando “Ballade de Melody Nelson”

Johnny e Vanessa escolheram o nome de sua filha inspirados nesta música de Serge Gainsbourg : Ballade de Melody Nelson.

Em 2011 o filho de Serge, Lulu Gainsbourg, fez um álbum em homenagem ao pai reprisando várias músicas dele interpretadas por vários convidados.
Uma das faixas é esta, Ballade de Melody Nelson cantada por Vanessa fazendo um duo com Johnny.
No original Gainsbourg canta e a Jane Birkin fala.
Mas Johnny fez sua versão, eles inverteram, e a Vanessa canta a parte do Gainsbourg e Johnny fala o refrão, e toca baixo, guitarra, bateria e percussão. Ela toda dengosa e ele com esse vozeirão.
Sensualidade ao extremo. Gainsbourg é isso.

Abaixo a letra em português e francês:

Esta é a história
de Melody Nelson
Que além de mim mesmo
Ninguém jamais tomou em seus braços
Isto pode surpreendê-los
Mas é assim.

Ela tinha amor
Pobre Melody Nelson
Sim, ela tinha toneladas de amor
Mas esses dias estavam contados
Quatorze outonos
E quinze verões.

Um pequeno animal
esta Melody Nelson
Uma adorável menina
E tão deliciosa criança
Que eu só conheci por um instante.

Oh! Minha Melody
Minha Melody Nelson
Amável pequena boba
Você era a condição
Sine qua non
De minha razão.

Ça c’est l’histoire
De Melody Nelson
Qu’à part moi-même personne
N’a jamais pris dans ses bras
Ça vous étonne
Mais c’est comme ça

Elle avait de l’amour
Pauvre Melody Nelson
Ouais, elle en avait des tonnes
Mais ses jours étaient comptés
Quatorze automnes
Et quinze étés

Un petit animal
Que cette Melody Nelson
Une adorable garçonne
Et si délicieuse enfant
Que je n’ai con-
Nue qu’un instant.

Oh! Ma Melody
Ma Melody Nelson
Aimable petite conne
Tu étais la condition
Sine qua non
De ma raison

Banda “P”

Para quem não conhece, aqui está um vídeo de uma apresentação da Banda “P” que Johnny Depp fazia parte com Bill Carter, nos anos 1993-1995.
Nesta apresentação ele toca baixo, Bill fica na guitarra e vocal, Gibby Haynes no Vocal e Sal Jenco na bateria.

My Deeaaarrr!!! “Little Lion Man”

“Little Lion Man”, Johnny Depp como “Tonto’s Giant Nuts” canta e toca com Bruce Witkin.

Johnny cantando!
Estávamos prevendo isso enquanto acompanhávamos sua trajetória como músico e suas performances cantando em Sweeney Todd, depois uma palhinha aqui e outra lá em outros filmes… Mas sempre dizendo: Não!! Eu não canto!! Hahah.
Temos observado desde 2011 quando ele passou a frequentar assiduamente os palcos com os amigos (e que amigos!), e ele começou lá no fundo, cabeça baixa, depois foi se chegando para a frente, foi chegando perto do microfone… fazendo backing vocal com o Aerosmith, depois na despedida das gravações de The Lone Ranger, tocando com Gore Verbinski, e agora está ai:
Uma música todinha cantada por ele.

Isto certamente tem o empurrãozinho do Bruce Witkin. Foi ele que o preparou para cantar em Sweeney Todd. Era ele que aparecia cantando com Johnny no The Kids, e agora nesta música os dois gravaram juntos para a trilha sonora do documentário “West Of Memphis”. Em “Little Lion Man”, Johnny como Tonto’s Giant Nuts canta e toca com Bruce Witkin a música dos “Munford & Sons”. Aquela banda que ele apresentou no Grammy deste ano lembram?

Não perdi a oportunidade de montar um video com imagens dele tocando e já levamos ao delírio muita gente no forum com isto.
E esse Deeeeaaaarrrr do Johnny arrasa com o coração da gente!!!
E ouvindo com o fone de ouvido essa voz grave…escorregadia, descobri que é a voz do Cap. Jack… Ok, ok… Pois Jack fala cantado e aqui Johnny canta falando… Devaneios de viciada em Jack!
Ouso descrever minhas intenções no vídeo amador, claro, coisa de fã:
Johnny tocando várias vezes no Late show… ficou como pano fundo, como se ele estivesse tocando o tempo todo.
As batidas fortes ficaram para quando ele desce o braço andando pelo palco em tantos shows que já vimos.
O Bruce tinha que aparecer afinal os dois estão ali o tempo todo e ele é o responsável por fazer o Johnny cantar sempre.
A fumaça e as fotos pensativas é a introspecção, pois quem leu a letra da música sabe que é um assumir culpa mas que também não está nem ai… como o Jack. Mas ama, por isso os beijos. (letra da música no final do post)
O Cap. Jack…bem… é a voz dele, bêbada, rouca, escorregadia e me ame como sou. My deeaaar.

No final do ano passado eu disse: “Ele ainda vai cantar assumidamente. E não vejo a hora de ouvir as composições.”
Agora é esperar pelas composições. Acredito que deve ter muitas guardadinhas.
~Salete~

Edit.: Esta gravação faz parte do CD da trilha sonora do documentário “West Of Memphis”, que foi lançado no dia 15 de janeiro. Pode ser comprado na Amazon.com ~A Amazon faz entrega de CDs no Brasil. ~Parte da venda beneficia diretamente os West Memphis 3.
Além de Johnny e Bruce Witkin, estão também, Bill Carter, Marilyn Manson, Patti Smith, Eddie Vedder, Peter Jackson (cineasta) e outros artistas.

Letra e tradução da música:

“Little Lion Man” (MUMFORD & SONS)

Weep for yourself, my man,
You’ll never be what is in your heart
Weep, little lion man,
You’re not as brave as you were at the start
Rate yourself and rake yourself
Take all the courage you have left
Wasted on fixing all the problems that you made in your own head

But it was not your fault but mine
And it was your heart on the line
I really fucked it up this time
Didn’t I, my dear?
Didn’t I, my dear?

Tremble for yourself, my man,
You know that you have seen this all before
Tremble, little lion man,
You’ll never settle any of your scores
Your grace is wasted in your face,
Your boldness stands alone among the wreck
Now learn from your mother or else spend your days biting your own neck

But it was not your fault but mine
And it was your heart on the line
I really fucked it up this time
Didn’t I, my dear?

But it was not your fault but mine
And it was your heart on the line
I really fucked it up this time
Didn’t I, my dear?
Didn’t I, my dear?

[harmonizing]

But it was not your fault but mine
And it was your heart on the line
I really fucked it up this time
Didn’t I, my dear?

But it was not your fault but mine
And it was your heart on the line
I really fucked it up this time
Didn’t I, my dear?
Didn’t I, my dear?

Chore por si mesmo, meu amigo
Você nunca será o que está em seu coração
Chore, pequeno homem leão
Você não é tão corajoso quanto era inicialmente
Avalie-se e recomponha-se,
Pegue toda a coragem que te sobrou
Desperdiçada em consertar todos os problemas que você criou em sua própria cabeça

Mas isso não foi sua culpa, mas sim minha
Era seu coração na linha
Eu realmente estraguei tudo dessa vez
Não foi, meu caro(minha querida)?

Estremeça por si mesmo, meu amigo
Você sabe que já viu isso tudo antes
Estremeça, pequeno homem leão
Você nunca conquistará nenhuma de suas metas
Sua graça é desperdiçada no seu rosto
Sua audácia permanece sozinha dentre os destroços
Agora aprenda com sua mãe, ou então gaste seus dias mordendo seu próprio pescoço

Mas isso não foi sua culpa, mas sim minha
Era seu coração na linha
Eu realmente estraguei tudo dessa vez
Não foi, meu caro?(minha querida)

Bill Carter and The Blame: Anything Made of Paper

Começando o ano com esta bela música, cheia de significados, amor, esperança.
Está na lista pra ser indicada ao Oscar 2013 de Melhor Canção Original, ”Anything Made Of Paper” (“Qualquer Coisa Feita de Papel”) foi composta por Bill Carter e sua mulher Ruth Ellsworth Carter como presente para Damien Echols e sua mulher Lorri Davis. A canção faz parte da trilha sonora do documentário “West Of Memphis” e é relacionada ao tempo em que Damien ainda estava preso e só podia receber presentes feitos de papel.

Johnny Depp:

“Essa sincera música, escrita pelos meus queridos amigos Bill e Ruth Carter, é um sublime, inesquecível número que oferece, a nós “outsiders”, uma pequena visão para o mundo cruel que Damien e Lorri foram forçados a habitar por tanto tempo. Essas palavras, ”Anything Made Of Paper” estão enraizadas na verdade, pois nenhum item, além do papel era permitido sair ou entrar da prisão de Damien em Arkansas”.
Nessa faixa, tais limitações bárbaras são transformadas em alguma coisa de beleza e poesia, imitando a maneira em que Damien e Lorri perseveraram e finalmente triunfaram à selvageria interminavelmente imposta a eles”.