Categorias
Don Juan DeMarco Filmes Resenhas

Don Juan DeMarco



” — Há alguns que não partilham minhas percepções, sem dúvida. Quando digo que todas as minhas mulheres são beldades deslumbrantes, há quem proteste. Não, não, dizem eles, o nariz desta mulher é muito grande, a outra tem quadris largos demais, os seios de uma terceira são muito pequenos…

— … mas vejo essas mulheres como são de fato… gloriosas, radiantes, espetaculares, impecáveis… porque não sou limitado por minha vista.

O jovem fitou nos olhos o homem mais velho e acrescentou em voz suave, com extrema sinceridade:

— As mulheres reagem a mim como o fazem, Don Octavio, porque sentem que procuro a beleza que habita dentro delas, até que prevaleça sobre todo o resto. E depois… as mulheres não podem resistir a seu próprio desejo de liberar essa beleza e me envolver nela. “

 

Nesta semana comemoramos o dia Internacional da mulher. Para fecharmos esse evento com chave de ouro, nada melhor que nos deliciarmos com Don Juan DeMarco. Seja em filme, em leitura, em fotos. É um presentão!

Então aqui está meu presente. Garanto que voces vão adorar. Não só as mulheres…mas também os homens, que com certeza depois de ler isto vão repensar certas atitudes tomadas ou evitadas.

O filme já começa lindo, com aquele tecido sedoso vermelho fazendo fundo para apresentar o elenco. Ao ler Johnny Depp, Marlon Brando, Faye Dunaway, já dá uma emoção.

Então aparecem aquelas mãos, que tão bem conhecemos, colocando anel, ajeitando abotoaduras, umas luvas de couro lindíssimas. 

A música é divina, dramática e suave, melodiosa, ao mesmo tempo. Então começa aquela voz que também conhecemos tão bem, contando sua história.


Daí para a frente, tudo o que ele fala é pura poesia até o final do filme.

Ousado, gentil, educado, delicado, flutua quando anda, desconcerta com sua voz doce e encanta com suas palavras.

“Muchas gracias, senhorita
Todo amante verdadeiro sabe que o momento de maior satisfação chega
quando o êxtase já se extingiu…
e ele vê a flor que se abriu ao seu toque.”

Don Juan

Então entra na trama o Dr, Jack Mickler ( Marlon Brando), psiquiatra quase se aposentando, e se interessa pelo caso do jovem de 21 anos que tenta suicidar-se devido a uma única mulher que o rejeitou.

E ele diz ao médico:

“Nunca conheceu uma mulher que o inspirasse para a amar até que todos os seus sentidos fiquem impregnados dela?
Você a respira…
A saboreia…
Vê nos olhos dela os filhos que irá ter…
E sabe que seu coração finalmente encontrou um lar.
Sua vida começa com ela…
E sem ela certamente termina”.

Mas o médico consegue convencê-lo a desistir de seu intento e o leva para interná-lo numa clínica.

A partir daí, aguenta coração. A cada sessão o médico passa a ser tratado e não o paciente. Na verdade ha terapia dos dois lados, mas com certeza o médico se beneficiou muito mais.
A cada sessão no consultório, Don Juan dava lições de amor, de respeito de como tratar as mulheres.
Esse filme parece ser feito para as mulheres, mas com certeza foi mais para os homens. Pena que eles “escutam” o que Don Juan diz mas não “ouvem”.

Francis Ford Coppola abusou da imaginação. É muita fantasia. Faz com que a gente viaje, e descubra que amar é perder a realidade, é entrar num mundo novo, construido pela imaginação.
Quem não sai da realidade quando ama? Mas quando ama de verdade!!!

O personagem de Marlon Brando passa a ver seu relacionamento com sua mulher de outra forma.( Faye Dunaway). Don Juan o ensina a viver, a amar.

” — A primeira mulher que amei plenamente, com toda a força do meu corpo e a alegria de meu coração, revelou-me os risonhos segredos do universo.
Aprendi com ela as respostas para as únicas quatro perguntas que merecem ser formuladas:
O que é sagrado?
De que substância é feito o espírito?
Pelo que vale a pena viver?
E pelo que, tudo dito e feito, vale a pena morrer? ‘
Don Juan parou de falar por um instante, pelo efeito dramático.
— A resposta a todas essas indagações é a mesma.
A resposta, Don Octavio, é o Amor. Apenas o Amor. “

E o ousado Don Juan leva um outro médico à nocaute dizendo: 
“Alguma vez já amou uma mulher até o leite vazar dela, como se tivesse acabado de dar à luz ao amor,
sendo obrigada a amamentá-lo ou explodir?
Já amou uma mulher tão completamente…
que o som de sua voz no ouvido dela
faz o corpo dela tremer e explodir com um prazer tão intenso
que só as lágrimas a libertarão?…”


Ha uma parceria, uma química perfeita entre Marlon Brando e Johnny Depp, em atuações perfeitas. Se encaram e se confrontam todo o tempo. Um embate entre o jovem e o velho, a fantasia e a realidade, o que vale a pena e o que não vale a pena viver. Seus olhos brilham, suas expressões são ternas. Eles compactuam com a imaginação do outro. Um entra no mundo do outro. Os dois personagens tiram proveito disso.

O médico se transforma, sua casa se transforma, ele vira moleque novamente com sua mulher, Faye Dunaway, linda. Marlon, um charme só! As cenas com esse casal são lindas! Como não se vê em filme nenhum com atores de suas idades.

A Música!!!!!!!!!! AAaaaaahhhhhhhhh! a música é linda! É outro poema. Ela combina perfeitamente com Don Juan. A letra, a melodia, a voz do Brian Adams.
 

E o filme se desenrola numa mistura de comédia, romance, questões familiares e sensualidade.

O médico, não deixa por menos e também tem palavras de peso:

” Não sabes tudo o que há para saber sobre as mulheres e não sabes de tudo o que há para saber sobre o amor!
Há mais, muito mais! É o grande Don Juan, mas é apenas um menino. Espere, apenas espere, até tomar nos braços sua mulher,
depois que ela der à luz ao seu filho! Espere até passarem por muitas brigas, muitas tristezas, e continuarem vivos, ainda juntos, e ela
ainda for um mistério esperando para envolvê-lo! Esperem até confrontarem a morte juntos, como dois guerreiros camaradas!
Voltem então para me dizer esse absurdo de que só os jovens podem amar! Você ainda não viu nada garoto!”

 
 

A Lenda

A origem da lenda de Don Juan é obscura, mas sua essência é apreciada há séculos. Don Juan era supostamente espanhol, italiano ou português. Sua lenda, no entanto, foi desenvolvida pelos ingleses, um povo muito mais frio, mas com um desejo ardente de calor.

A Inglaterra também produziu as obras de um romântico de sangue quente e fascinante sensibilidade, George Gordon, Lord Byron, propenso a aventuras românticas de vários tipos, desde jovem. Ele amou as ilhas gregas e um rol interminável de mulheres. Foi o autor de Don Juan, um relato longo e encantador da lenda em versos, satíricos mas doces. Alguns ingleses, mesmo hoje, têm memorizado longos trechos do poema, e o sussurram para uma jovem receptiva, se o cenário é apropriado e o ânimo bastante inebriante.

O outro homem que manteve viva a lenda de Don Juan foi Wolfgang Amadeus Mozart, o compositor da ópera Don Giovanni, em que o insidioso mas adorável Don Juan é consumido pelas chamas do inferno, mantendo sua atitude de desafio até o fim. Poucos homens podem cantarolar os grandes temas dessa ópera, mas ninguém que a tenha assistido jamais poderá esquecer o repúdio final de Don Juan a qualquer responsabilidade e arrependimento.

Nesses dois relatos da lenda, mulheres em grande quantidade descobrem que Don Juan é absolutamente irresistível. Seu charme é total, sua atração incomparável. Ele é sempre cortês. Nunca tenciona prejudicar ninguém, e embora mantenha um registro de suas conquistas, não se mostra tão interessado assim na contagem, mas sim no bom desempenho. Jamais se considera agressivo, mas simpático.

Don Juan nunca envelheceu, sendo consumido pelo fogo infernal antes que as rugas e cabelos brancos surgissem. Na lenda, permanece jovem para sempre. E nem o compositor nem o poeta de Don Juan alcançaram a meia-idade, talvez não o desejassem. Mozart morreu aos 35 anos. Byron morreu na Grécia aos 36.

Parte de prólogo do livro de mesmo nome publicado pela Editora Record. Um romance de Jean Blake White, baseado no roteiro de Jeremy Leven.

O filme, é uma produção de Francis Ford Coppola.

O livro é facilmente encontrado nas livrarias físicas e virtuais. Vale a pena ler, obviamente, tem muito mais que no filme. Mas, aconselho ver o filme antes, para imaginar Don Juan como Johnny Depp ou vice-versa quando está lendo rsrsrsr

 

 

2.422 respostas em “Don Juan DeMarco”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *