Entrevista – NUMERO HOMME Magazine

Tradução completa da entrevista cedida por Johnny à revista francesa Numero Homme Edição Outubro 2017
O texto original é francês, e está traduzido para o português pela portuguesa Sara Raquel Pinheiro especialmente para o DeppLovers, a qual agradecemos muito.

Ele é um dos poucos grandes atores a ter escrito seu próprio destino. Desde que se tornou um nome familiar aos 24 anos, Johnny Depp percorreu habilmente as armadilhas da celebridade ao forjar seu próprio caminho em ambiciosos filmes de autores como Tim Burton e Jim Jarmusch. Número Homme senta-se com o ícone de Hollywood – e o rosto da fragrância Sauvage de Dior – para uma entrevista exclusiva.

Desde seus primeiros anos nos sets de filmagens, o jovem rapaz do Kentucky, chegou à Flórida aos 7 anos e chegou a Los Angeles assim que pôde, ele se viu diante da síndrome da comparação. Graças a «Cry Baby» e «21 Jump Street» que revelam um jovem herói romântico e torturado, eles pensaram que estavam segurando um novo James Dean. No entanto, ele nunca foi um, preferindo frequentar os ídolos do passado em vez de compará-los. Suas amizades notórias com Marlon Brando e Hunder S. Thompson moldaram sua personalidade aventureira, ao mesmo tempo que se reuniu com vários grandes cineastas, especialmente na primeira parte de sua carreira pelo mestre Tim Burton «Edward Scissorhands» (1990), e o de Jim Jamusch «Dead Man» (1995).

Observar a excentricidade e a profundidade das almas desses gênios foi para Johnny Depp uma maneira de mantê-la intacta. Um gesto necessário para um ator que deve constantemente reanimar sua capacidade de sonhar. Depp era corpo e alma para o grande setor cinematográfico de Hollywood, dando uma forma de energia rock ao grande sucesso da série “Piratas do Caribe” – ele sempre foi admitido inspirado por Keith Richards por seu personagem mítico. Ele concordou em retornar, para Numero Homme, em sua carreira excepcional, onde a palavra principal é intensa.

Numero Homme: O que é para você a definição de masculinidade?
Johnny Depp: Há muitos homens que não são realmente homens. Isso sempre foi importante para mim, tendo figuras masculinas fortes na minha vida. Já havia meu pai e meu avô. Mais tarde, tive a oportunidade de conhecer Marlon Brando, que foi um grande amigo para mim, um mentor, um professor, um irmão… Este era um homem de verdade. O Hunter S. Thomson também foi. Você pode vê-lo em seus olhos. Se você está prestes a entrar em um incêndio, uma batalha ou uma guerra, eles são o tipo de pessoas que você vê ao lado seu lado e com quem você pode contar. Eles estarão prontos para cair com você.

NH: Quais foram os directores que tiveram o maior impacto em você?
JD: Tim Burton. Quando conheci Tim, tinha acabado de fazer Cry-Baby com John Waters. Antes de John eu estava naquele programa de TV [21 Jump Street] e eu era basicamente tudo o que eles queriam-me vender. Os estúdios vendem um produto e eu me tornei seu produto. Eles sugeriam às pessoas o que eu era e quem eu era. Não era sobre mim, era sobre essa imagem que não tinha nada a ver comigo, então eu sabia que não estava na minha estrada. Eu queria encontrar o meu próprio caminho. Ter um papel para John Waters foi o primeiro passo. Eu precisava fazer um segundo, mantendo minha estabilidade. Foi aí que conheci Tim Burton, quando ele me escolheu para “Edward Mãos de Tesoura”.
 
NH: De que maneira Tim Burton deu confiança em você mesmo?
JD: “Eduardo Mãos de Tesoura” era muito pessoal para ele. Ele estava criando essa personagem desde que era adolescente. O filme é sobre a falta de autoconfiança, a negação de emoções pelo medo de machucar alguém. Tim deu-me a confiança para interpretar esses sentimentos muito subtis. Primeiro, achei isso estranho, mas então eu entendi em que ponto nós éramos similares. Eu acho que isso deve ter sido muito desestabilizador para ele…

NH: O facto de ele ter lhe dado o papel?
JD: Sua confiança era uma verdadeira coragem, na medida em que ele me deixou fazer o que eu queria. É realmente Tim quem me deu a confiança. Depois de “Eduardo Mãos de Tesoura” era como se eu tivesse um machete, eu estava pronto para cortar todas as questões. Esta foi a base, o único problema foi com as minhas escolhas, aceitar ou não aceitar um filme era essencial, como forma de melhorar meus valores.

NH: Então você diz que foi um momento decisivo?
JD: Conhecer Tim foi um ponto de virada para mim. Lembro-me de estar chorando ao ler o cenário, porque senti que era semelhante ao personagem, enquanto pensava que nenhum deles queria que eu interpretasse Eduardo. Isso foi inacreditável. Eu até tentei cancelar todos os meus compromissos com Tim. Eu estava certo de que ele me consideraria apenas um simples ator de TV, então estava pensando “por que tentar”? Mas ele me deu o papel. E então eu tive que tirar 70% que ele escreveu para o personagem.

NH: Porque havia muitas falas?

JD: Sim. Edward estava falando muito. Quando ele ficava em silêncio era mais importante para mim. O que ele estava sentindo era mais importante do que ele estava dizendo. Isso é mais fácil dizer “eu te amo” a alguém do que mostrá-lo. Lembro-me de que Edward foi convidado pelo personagem de Dianne Wiest, onde seu pai era. Ele teve que responder “ele está morto”, mas para mim ele era um menino inocente, e ele não deveria dizer isso, então eu mudei isso para “ele não acordou”. Isso foi bastante louco para Tim e Caroline Thompson, os autores do cenário, para conhecer um ator que pede menos falas. Mas a verdade do personagem estava lá.

NH: O “Dead Man” de Jim Jarmusch foi tão importante para você quanto o filme de Tim Burton?
JD: “Dead Man” era como viver em um poema de Jim Jamrusch, escuro e épico, Jim é muito talentoso ao expor as fraquezas humanas e as manias estranhas. Ele é um pouco estranho. Ele e Tim Burton são semelhantes nesse ponto. Jogue, observe, seja fascinado pelas pessoas e suas excentricidades. Meu personagem William Blake é a imagem de Jim. Eu vi alguns excertos do filme…

NH: Você já viu seus próprios filmes?
JD: Não, eu tento não ver. Eu tive que ver algumas vezes porque queria me certificar de que o corte estava bem. Mas eu prefiro permanecer ignorante do que é o acordo final. É mais fácil para mim fazer o trabalho, jogar o personagem e, uma vez que eles dizem “você terminou”, é quase como se não fosse meu negócio. Eu me sinto melhor não ver o que eles chamam de “produto final”. Preferiria-me afastar com a experiência, o que me permite permanecer menos consciente do que quer que as definições estranhas que as pessoas usam – como a fama e tudo isso – e me permite permanecer o mais claro possível. Isso me permite permanecer o mais lúcido possível. Não confio em atores que gostem de assistir seus próprios filmes. É totalmente inapropriado para eu assistir meus filmes e me dizer “sim, isso é realmente excelente”. Estar satisfeito de si mesmo é o primeiro passo para o auto-indulgente. Você só precisa dizer que você fez o seu melhor. Mas cabe a outros dizer se foi bom ou não. Meu trabalho é dar ao director diferentes opções para que ele possa fazer suas próprias escolhas para os cortes.

NH: Você está se apegando aos seus personagens?
JD: Eu me atribuo a cada um dos meus personagens, porque todos eles são parte de mim. É mesmo essencial. E é muito agradável estar na pele de alguns personagens. Sendo Edward, por exemplo, veja as coisas do ponto de vista mais puro, sendo totalmente aberto, foi muito reconfortante. Edward nunca mentira para esconder seus sentimentos. Ele não pode mentir, senti sentimento real de segurança desempenhando tal personagem. O mesmo para Raoul Duke em “Medo e delírio em Las Vegas”, e depois com o capitão Jack Sparrow. Eu estava confiante com o papel de Raoul Duke porque é um avatar de Hunter, que eu sabia muito bem. Eu sabia como ele estava falando, conheci todas as suas reações. Eu poderia até interpretá-lo hoje. Todos esses personagens permanecem para sempre.

NH: Como Hunter S. Thomson influenciou você?
JD: Você nunca conheceu alguém tão livre. Ele sabia que ele deixaria marca na história, sua escrita estava realmente marcada em seu tempo. Ele sabia muito bem quem ele era e o que queríamos dele. Ele era um amigo leal e carinhoso, um verdadeiro cavalheiro do Sul. Um dia ele foi espancado pelos Hell’s Angels, porque um deles gostava de sua namorada, e Hunter entrou no caminho. Ele me influenciou porque cresceu, assim como eu, no sul dos Estados Unidos. Ele também era do Kentucky. Você poderia ter visto em seus olhos que ele nunca vai deixar você ir, que ele poderia cair com você. Hoje, isso é muito raro. Agora temos uma geração de “eu, eu, eu”. Vivemos em uma sociedade que é muito narcisista. Hunter me deu muito. Eu estava obcecado com a literatura antes de conhecê-lo. Quando o conheci pela primeira vez eu já tinha lido todos os seus livros. Quando nos aproximamos, encontrei outros autores, os que o inspiraram. Passando o tempo com Hunter, viajando com ele para Cuba, tive a impressão de estar em uma de suas novelas.

NH: Como você o conheceu?
JD: Nós tínhamos um amigo em comum que me convidou para o Aspen para eu o conhecer. Eu estava localizado na parte de trás de um restaurante, The Woody Creek Tavern, vi a porta se abrindo, sinto eletricidade no ar, e eu vi os clientes se mover fazendo uma passagem e gritando. E então ouvi uma voz que dizia: “Vá lá, deixem-me passar, seus tolos”. Em uma mão ele estava segurando uma bastão elétrico de um metro de comprimento, e em outro um Taser. Ao brincar com suas ferramentas, ele se aproximou de mim. Ele disse: “Olá, eu sou Hunter. Prazer em conhecê-lo”. Nos sentamos à mesa. Alguém estava sentado lá também. Um cabeleireiro inglês. Hunter olhou para ele e disse: “Isso é algo estranho com você” e ele estava dizendo tudo o que estava acontecendo na sua cabeça. Ele escreveu o romance «O Grande Gatsby» em sua máquina de escrever, porque queria saber como faz para escrever uma obra-prima. Descobri isso fascinante. Ele adorava Fitzgerald, Hemingway e aquele autor que ninguém conhece, Nathanael West, que escreveu 4 livros:
“The Dream Life of Balso Snell”, “Miss Lonelyhearts”, “A Cool Million”, “The Day of the Locust” antes de morrer em um acidente de carro.
Hunter e eu tínhamos muitas coisas em comum. Ele estava fazendo você seu acólito, seu cúmplice. Eu o conheci nos próximos 12 anos de sua vida (Thompson morreu em 2005), estávamos passando nosso tempo fazendo um estoque de grapefruits e club sandwichs que ele queria manter ao lado dele, com 50 potes de sal e pimenta diferentes… Eu sempre percebi o quão especial ele era, eu nunca tinha tomado esses momentos sem pensar. Tive a sorte de aprender ao lado dele.

NH: Quão importante é para você permanecer independente nas escolhas de seu filme?

JD: Uma coisa que eu nunca poderia suportar quando toda a estranheza começou a acontecer, e as pessoas começaram a me reconhecer, foram as categorias nas quais você colocou. Eles farão qualquer coisa para rotular você como um certo tipo. É como quando você aparece nas fileiras e as pessoas dizem: “Ele é o novo James Dean ou isso ou aquilo…” Não, não, não. Eu nunca gostei das categorias. Eu nunca gostaria de pensar sobre o negócio, fica no caminho. É um curso de obstáculos para o trabalho, de modo que simplesmente não estou interessado nisso. Ganhei várias vezes o Prêmio People’s Choice, e isso significa muito para mim, porque é o público que o dá. Não é um desses prêmios concedidos em termos de uma campanha orquestrada nos bastidores, como os Oscars, esse não é realmente meu tipo. É como ser candidato em uma eleição. Bem, não… se o trabalho está lá e bem feito, deve ser suficiente.

NH: O que convenceu você a aceitar a ser “a musa” do perfume da Sauvage Dior?
JD: É uma casa única e surpreendente. Fiquei atordoado de eles estarem interessados em mim. Uma marca com essa classe que recebe uma pessoa como eu. (risos) Isso é algo muito essencial na minha relação com a Dior, que não se limita ao negócio. Com eles, nunca tive a impressão de passar por algo além de uma aventura criativa.

NH: Como você reagiu ao enorme sucesso da campanha para o perfume Sauvage?
JD: Eu tive apenas experiências positivas com essa colaboração. Mesmo que ainda seja estranho entrar numa rua e ver sua imagem em um cartaz 4×3 em cada parede. Isso foi realmente incrível.

NH: Entre as grandes figuras de Hollywood, quais inspiraram você?
JD: Quando eu era criança, eu estava assistindo a TV todos os domingos. Lembro-me do PBS, o canal nacional de TV nacional, que transmitia filmes mudos. Charlie Chaplin, Buster Keaton e todos os outros. E ainda mais, eles não podiam se apoiar na voz e nas respostas. Lon Chaney Sr., também, em «O fantasma da ópera»… Este tipo de atores é uma fonte incrível de inspiração. Eles se expressaram apenas por emoções através de seu olhar ou de sua linguagem corporal. A menor mentira que você poderia ter visto em seus olhos.

NH: E a música em tudo isso? Você está tocando em uma banda de rock com Alice Cooper e Joe Perry
JD: Comecei a tocar aos 12 anos em algumas festas. Depois de ter 13 anos, comecei a tocar em alguns clubes de punk em Miami Beach. Eu estava terminando de tocar às 4 da manhã e fui para a escola: você imagina que eu não estava em forma. Então eu desisti da escola aos 15 anos. Eu sempre fui um músico na minha alma. Toda minha infância queria ser um guitarrista. Ser ator, eu realmente não me importava. Alguém me deu a oportunidade de fazer um filme, então eu disse: “Vamos lá”. Isso me permitiu pagar meu aluguel por um certo tempo. Quando vi onde isso me conduzia, segui esse caminho. Mas sem deixar meu sonho de me tornar um músico – eu simplesmente deixei de pensar em me tornar um profissional, não queria deixar minha carreira como ator para me tornar um músico.

_____________
Tradução exclusiva para o Depp Lovers, favor creditar com link ao repostar.

6 thoughts on “Entrevista – NUMERO HOMME Magazine

  1. Ro disse:

    É sempre um prazer ler sobre a essência de suas escolhas. Tanto profissionais, quanto pessoais.
    Há verdade na fala. Repete o que tem dito durante todos esses anos sobre a carreira, os amigos e valores.
    Há sempre muita observação, obras (e aí muitas dicas) e pessoas na busca pelo conhecimento.
    É por isso que nos presenteia com uma filmografia tão admirável.
    Edward é um encanto do início ao fim. Desde a escalação, passando pela construção da personagem com a interferência de JD, até o resultado final.
    E para não dizer que não falei de música, ainda conseguiu resgatar um lugar que deveria ter sido dele: o palco. E muito bem acompanhado.
    Obrigada, Sara Raquel Pinheiro, pela tradução.

  2. Liu disse:

    Sempre sensacional!
    “Vivemos em uma sociedade que é muito narcisista. ” Perfeita visão do nosso tempo! E ele tem experimentado na pele! Uau!
    ” Fiquei atordoado de eles estarem interessados em mim. Uma marca com essa classe que recebe uma pessoa como eu. ” Simplicidade e humildade são sua essência!
    Obrigada, DL. Obrigada, Sara Raquel.

  3. Salete disse:

    E a grande revelação: Ele tirou 70% do texto de Edward. Inspirado no cinema mudo. Foi aí que ele imprimiu sua marca e ganhou o Tim.

  4. Rosa Maria disse:

    Encantada Mr. Depp! É sempre tão bom ler e ouvir suas entrevistas! As pessoas insistem em perguntar as mesmas coisas, e ele, coerente como só, sempre repete as mesmas histórias, fiel a sua história. Mas, sempre alguma nova escapa, e a gente sai catando os pedacinhos, ávida por conhecer mais um pouco dele. Sempre se comentou sobre as poucas falas de Edward, mas eu não sabia que o próprio Johnny cortou a maioria das falas, e ainda as modificou! Genial! Ele é genial, certo?
    Obrigada Sá, obrigada Sara Raquel.

  5. Estoy totalmente de acuerdo con todas las opiniones anteriores. Veo en el a un ser muy inteligente y capacitado al que no legusta encasillarse en uno o dos tipos de personajes ni repetir guiones ni papeles. Es un actor muy arriesgado ya que escoge trabajos muy originales. Y todas las personas que trabajan con el, tenminan siendo sus amigos. Es un ser entrañable.

  6. Liu disse:

    Como é bom ler essas entrevistas! É sempre um grande prazer! Nosso Querido Johnny é um gênio!
    Obrigada, Salete!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

«
»