Uma entrevista nostálgica

Mais uma vez trago para o Blog uma entrevista. Adoro ler entrevistas, principalmente as antigas. Acho que elas têm uma nostalgia bonita e na maioria das vezes revelam mais do que as atuais.

Inspirada pelas ultimas aparições de Johnny com diversos músicos e participações em diversos shows, achei uma entrevista diferente, feita em uma época em que Johnny era tratado pela mídia como John e não passava de um muito jovem guitarrista de uma banda de rock. Esta entrevista foi feita por Dana Elder para a revista Scarlet Bugle em 1981 com os membros da Banda The Kids: Bruce Witkin ( baixo e vocal ), Johnny Depp ( guitarra ),Joey Malone ( guitarra e vocais ) e Bill “Beano” Hanti ( bateria ). A banda, nesta época, estava batalhando por um contrato com alguma gravadora que os lançasse ao sucesso, mas já abriam para diversos shows como The Pretenders, Chuck Berry ,Iggy Pop etc.

Eles eram muito garotos naquela época. Johnny era o mais novo com dezoito anos! Por isto amei ler esta entrevista tão singela, simples e cheia de sonhos. Espero que gostem.

“De todas as bandas de rock do Sul da Florida, The Kids está determinada a chegar ao topo. Inspirada a uns cinco anos atrás , quando eram muito jovens, pela banda Tight Squeeze, o The Kids nos conta sobre a sua busca pelo ‘ Contrato Maior’.
Abaixo tem uma entrevista com os quatro membros do grupo Bruce Witkin ( baixo e vocal ), Johnny Depp ( guitarra ),Joey Malone ( guitarra e vocais ) e Bill “Beano” Hanti ( bateria ).

Dana: Há quanto tempo a banda está junta?
Joey: Por volta de um ano e meio todos juntos.
Beano: Com Johnnie, o que, por volta de uns quatro meses agora? Bruce e eu estamos juntos por volta de cinco anos. Eu, Joey e Bruce estamos juntos há três anos.
Dana: Quem começou a banda e como ela se formou?
Beano: Bem, eu e Bruce começamos a banda, e como nos conhecemos foi porque meu irmão e a mãe de Bruce eram sócios em uma agência. Eu conheci Bruce por volta de cinco ou seis anos atrás quando a banda Tight Squeeze estava junta e nós começamos a sair juntos. Eu frequentava a escola e problemas com a família me fizeram sair de casa aos 15. Eu me mudei junto com a Tight Squeeze. Era tipo, quatorze pessoas vivendo em uma casa. Bruce tocava bateria naquela época e queria ir para a frente tocar baixo, então ele me ensinou a tocar bateria e foi como eu comecei. Nós sempre quisemos ter a nossa própria banda e tínhamos inveja do Tight Squeeze por causa do que estavam fazendo. Nós passamos por um milhão de guitarristas. Com cada novo músico nós progredíamos mais e mais. Então conseguimos Joey na banda e o guitarrista George Mazola o seguiu. Com este progresso, estávamos no ‘Rising Star Contest’. Nós escrevíamos as nossas próprias músicas e fazíamos o nosso próprio material original, que era o que queríamos fazer. Nós perdemos George cerca de quatro meses atrás e agora temos Johnnie e eu acho que a banda esta no seu melhor. Fizemos nossa primeira abertura para o The Pretenders.
Joey: Não se esqueça de Chuck Berry.
Beano: Nós gostaríamos de ter o nosso contrato de gravação e lançar a nossa música. Com sorte não haverá mais mudanças de membros e esta será “a banda” de agora em diante.

Dana: Algum de vocês já esteve em outra banda antes?
Bruce: Sim. Eu já toquei baixo no The Squeeze.
Joey: Eu já toquei em varias bandas, Straight Lace é uma delas.
Dana: Se vocês não estivessem nesta banda ou em outra qualquer, qual estilo de vida vocês teriam optado?
John: Atendente de Posto de Gasolina.
Joey: Eu não sei.
Bruce: Trabalharia em uma loja de música ou coisa assim.
Beano: Um oceanógrafo.
Dana: Individualmente, quem influenciou vocês musicalmente?
Bruce: Paul McCartney, Elvis Costelo.
Joey: Bruce, Stones, Elvis Costelo e The Beatles.
John: Bruce Springsteen , Diana Ross e Elvis Costelo.
Dana: As covers que vocês tocam são escolhas suas ou vocês as tocam por que são populares?
Todos: Ambos.
John: Por que pensamos que elas são escolhas.
Dana: Quem escreve seus originais?
John: Bruce escreve todas elas.
Beano: Com uma pequena ajuda dos outros três.
Dana: O que inspira vocês a escreverem as músicas, situações da vida real ou são algo criado?
Bruce: Eu as roubo de todos os outros, brincadeira. Elas apenas aparecem.
Beano: A maioria é de situações da vida real.
Joey: Yeah, você pode perguntar qualquer número de garotas que ficam em volta do Bruce e uma música surge.

Dana: De onde tiram o senso de humor no palco?
Joey: O meu fica escondido bem atrás do meu amplificador, logo que subo é a primeira coisa que tenho.
John: Eu vi uma garota dançando e ela tinha uma meleca enorme saindo do nariz e escorrendo automaticamente.
Beano: Nós não tiramos de lugar algum, apenas acontece.
Dana: Vocês abriram para o The Pretender no Sunrise…
Bruce: Nós abrimos?
Dana: Qual foi sua reação e como isto os atingiu?
Bruce: Eu pessoalmente pensei que eles ( The Pretenders) tiveram uma atitude negativa com a gente . Eles nem falaram conosco.
John: Achei o baixista um verdadeiro babaca.
Joey: Eu achei a Chrissie legal.
Beano: Eu pirei. Era como perder a virgindade novamente. Não me esquecerei daquela noite enquanto viver.
Bruce: Altos arrepios.
Dana: Vocês aprenderam algo?
Bruce: Eu aprendi; espero tocar milhões destes.
Beano: Fico feliz que tenha saído tão bom como foi, por que teria sido um solavanco pesado se tivéssemos tido uma resposta negativa. A resposta que tivemos me deixou perplexo porque eu não espera isto.
Joey: Tivemos uma grande resposta.
Bruce: Não houveram ‘buus’ ou tomates.

Dana: Quais são suas idades?
John: Sou o mais jovem, dezoito.
Brude: Tenho dezenove, Joey dezenove e Beano vinte.
Dana: Individualmente, quais as bandas que os influenciaram quando eram mais jovens?
Bruce: Michael Jackson para mim.
Joey: Para mim também. The Monkeys e The Beatles.
John: Jackson Five, Diana Ross and The Supremes, eu amo mais do que Adam.
Beano: The Beatles foram os mais pesados para mim.
Dana: Individualmente novamente, o que vocês gostam de fazer no seu tempo livre?
Todos: Dormir!!!
Beano: Não temos tempo livre.
Joey: Eu geralmente conserto meu carro.
Dana: Se tivesse tempo livre, o que fariam?
Joey: Eu consertaria meu carro que está sempre quebrando.
Bruce: Eu tento escrever.
John: Tudo que eu sempre quero é dar uns amassos.
Beano: Gostaríamos ter mais tempo pra passar juntos fazendo nada. Também ter um tempo para nós mesmos.
Dana: Qual a sua fantasia?
Beano: Qual delas? Tenho milhões delas. Você não pode limitá-las por que você sempre vai lutar por mais.
Bruce: Ser tão grande quanto os Beatles. Maiores!
John: A minha é ser tão grande quanto Bruce.
Joey: Eu ia dizer isto.
Dana: Como vocês lidam com o excesso de afeto das fãs?
Joey> Eu não lido, para falar a verdade. Não é afeto, é incesto. Nós lidamos da mesma forma que qualquer garoto americano, mergulhamos de cabeça.
Bruce: Eu acho que isto traz milhões de fãs.
John: Eu só quero dar uns amassos.
Beano: Eu não acredito em sexo antes do casamento.
Dana: Joey, descreva Beano.
Joey: O cara é como as estações, ele muda constantemente. Muito imprevisível.
John: No fundo ele tem um bom coração. Quero dizer, bem lá no fundo.
Joey: Ele é um irmão.
Dana: Beano descreva John.
Beano: Eu me senti bem quando ele entrou no grupo. Foi como ter um irmão mais novo novamente. Ele parece ser tão jovem, inocente e tão bonitinho e tudo mais. Ele é uma pessoa muito austera. Ele tem sempre que estar bonito. Ele é um ótimo guitarrista.
Bruce: Ele é sempre o ultimo a deixar a casa. Olha em todos os espelhos para ter certeza que está bem em todos eles.

Joey: Posso descrever Beano de novo?
Dana: John descreva Bruce.
John: Ele é um dos melhores baixistas que eu já vi na vida. Ele é um ótimo compositor. Seu nariz é maravilhoso.
Beano: Ele é o que empurra banda pra frente. Se não fosse por Bruce, nove ou dez vezes não estaríamos juntos. Ele é a força criativa por trás da banda.
Dana: Bruce descreva Joey.
Bruce: Ele usa óculos e bandanas… Ele é um ótimo cantor. Às vezes ele é metido. Nunca é pontual ou fácil de conviver.
Dana: Vocês tem mais alguma coisa para dizer para os nossos leitores?
Todos: Nós amamos nossa equipe e venha nos ver tocar, por favor.”

Estes ‘meninos’ até hoje continuam amigos , companheiros ,fiéis ao seus sonhos e de vez em quando se reúnem e tocam juntos.

16 thoughts on “Uma entrevista nostálgica

  1. Luh disse:

    Obrigada, Adriana! Muito boa! A reposta dele é a mesma quase sempre… rsrs valeu!

  2. Grasi disse:

    Muito obrigada por essa entrevista ♥ Só tinha achado em inglês . Tão jovem e diferente 😉

  3. Rosa Maria disse:

    Dri, obrigada! Que coisa mais fofa! Adoro contemplar essa amizade! Acredito que seja a maior das riquezas! E as respostas do menino Johnny são hilárias!!Desconfio que ele continua gostando de dar uns amassos e se olhar em todos os espelhos,rsrsrs.I love Johnny!!!

  4. Salete disse:

    Eu também adoro o fato de que eles conservam a amizade e continuam sempre tocando juntos . Casaram, tiveram filhos, a filha do Bruce já sobe no palco com eles, é guitarrista, e o o pequeno Jack também já vive no meio deles.
    E como a Rosa falou… Johnny continuo o mesmo, certamente, vaidoso e gostando de uns amassos. Hahah

  5. Maya Moon disse:

    hahaha, adora nostalgias também!! Muito obrigada Dri!!

  6. ro disse:

    Amei!
    Nem músico, nem frentista. Se ele soubesse o que estaria por vir…
    Quem diria, Johnny um dia já gostou de espelhos…hahaha
    Que coisa mais linda este menino metido à malandrinho.
    Só metido?
    E a lealdade impera. Amigos para sempre.
    Valeu Dri!!!

  7. CamilaD disse:

    Adorei! Um Johnny menino, que gostava de espelhos e de muitos amassos. Kkkk 😆 Valeu Dri!

  8. Barbie disse:

    Amei esta entrevista….Um bebe o nosso johnny, gostava de espelhos :mrgreen:

    PS: Sera que ele ainda gosta de dar uns amassos kkkkk 😛

  9. n. disse:

    Amei a entrevista! Muuito fofa e linda a amizade destes meninos! E quanto à questão dos espelhos tenho certeza de que ainda é assim, afinal, não dá pra ter um look tão excêntrico e único sem olhar no espelho taantas vezes quanto for preciso! Haha 😆

  10. Lu.Moraes disse:

    Adorável. Adriana obrigada.

  11. heleusiane disse:

    Muita linda a entrevista!!!! Dri, adorei!!! Valeu demais!!!
    Que amizade mais linda eles têm! Isso é preciosidade. Johnny sempre o máximo!!!
    E as respostas dele, bem 18 aninhos mesmo. Muito fofo!!!
    Quanto aos amassos? Ahhhh Johnny!!! Isso ele não deve ter parado nunca!!!

  12. Tayssa disse:

    Genteeeeeeeeeeeeee… que coisa mais linda … chorando de emoção aquii .. 😥
    Esse tempo deve ter sido um tempo mágico de amizade adoleswcente, alegria, fazer o que gosta e sempree…
    John: Dar uns amassos …. kkkkkkkkkkkkkkkk’

  13. larissa depp disse:

    :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen: adorei demaiiiiiiiiis!!!!!!!!!!!!

  14. ly disse:

    O Johnny como sempre muito adorável. Essa história dos amassos… rsrsrs. Muito interessante também conhecer as bandas e os artistas que os inspiraram. Adorei!!! 😆

  15. Elisa disse:

    Hum… eu tinha passado os olhos nessa entrevista, em inglês mas acabei não vendo a parte dos espelhos. Isso me faz pergunyar: será que esse papo mais recente dele de que nunca acho que tivesse chance com as garotas e que se pudesse não se olharia no espelho nem pra escovar os dentes é apenas charme?

    Sempre achei algumas coisas estranhas nas entrevistas que ele dá, tem vezes que parece que esconde algo. Por exemplo qdo perguntado se tem um estilo, ele disse que não, e que veste a primeira roupa que pega e põe por cima da outra. Nós sabemos que não é bem assim, né? rsrsrs

    Ele é vaidoso, se cuida e se enfeita sim. Sempre foi. Mas prefere não assumir isso. Antes que alguém venha dizer que estou chamando ele de mentiroso deixa eu explicar: acho que ele tem certos pudores como admitir que é: vaidoso, namorador, que gosta de dinheiro sim e que tem saudades do passado. Entre outras coisas. A gente vê nas atitudes dele essas coisas. Mas chega na hora de FALAR ele nega.

    Ano passado com mta dificuldade conseguiu admitir numa entrevista que gosta de ganhar dinheiro e que isso é um bom incentivo pro seu cérebro. Mas não sem antes repetir que aceita essas quantias altas por seus filmes apenas pros filhos e não pra ele. Ele dizia “Não é pra mim, é pras crianças”. Mas… por fim admitiu e senti orgulho dele naquele momento pq sei dos seus pudores e principios. Vê-lo lutando consigo mesmo e permitir que a sinceridade (uma característica tão frequente nele) viesse à tona.

    Essa humanidade dele me faz admirá-lo ainda mais!

  16. juliana marques disse:

    😆 😆 O johnny É muito fofo mesmoo!amoo ele

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

«
»